De olho em concessões, Vinci Partners quer dobrar aposta em infraestrutura

10/10/2017 - Monacelli
Aeroporto Internacional de Viracopos | Divulgação

Aeroporto Internacional de Viracopos | Divulgação

A gestora brasileira Vinci Partners planeja dobrar os investimentos na área de infraestrutura, de R$ 2 bilhões para R$ 4 bilhões, nos próximos dois anos. A empresa, que administra R$ 20 bilhões em ativos de vários setores no Brasil, vai focar os esforços em quatro segmentos na área de infraestrutura: transmissão e geração de energia elétrica; aeroportos; e saneamento básico. Os investimentos podem ocorrer por meio de leilão de concessão, como o da Cemig, que ocorre hoje, ou por aquisição de ativos.

Fundada em 2009 pelo banqueiro Gilberto Sayão, a empresa tem participações em companhias como Burger King, Cecrisa, a seguradora Austral e a locadora de veículos Unidas. A gestora também teve entre suas grandes apostas a construtora PDG, que, após várias tentativas de reestruturação, pediu recuperação judicial em fevereiro deste ano.

No setor de infraestrutura, a Vinci tem investimentos na empresa de transporte naval CBO e foi sócia da elétrica Equatorial até 2015, quando vendeu a participação por cerca de R$ 700 milhões. Com dinheiro em caixa, a gestora quer aproveitar a oferta de negócios no mercado.

Segundo José Guilherme Souza, sócio da gestora, o setor elétrico deverá ser o carro chefe da empresa nesse novo ciclo de investimentos. O apetite já foi demonstrado no primeiro leilão de linhas de transmissão que a empresa participou neste ano. A gestora arrematou sozinha um lote de 198 quilômetros de linhas no Nordeste, com investimentos de R$ 271 milhões.

Na área de geração, um dos focos serão os projetos de energia eólica e solar. Mas, como há muita oferta de empresas e projetos à venda no setor, a companhia avalia as oportunidades pontualmente. No rol de ativos, estão as usinas hidrelétricas da Cemig, que o governo vai leiloar nesta quarta-feira na B3, a Bolsa paulista. Até o início da noite desta terça-feira, a gestora ainda negociava uma parceria com um investidor estratégico que vai participar da disputa.

No segmento de distribuição, fontes do setor comentam que a Light, que exigiria desembolsos de até R$ 6 bilhões, também pode estar no radar da empresa, que prefere não comentar sobre a concessionária.

Outro setor na lista da companhia é o de gás natural. Executivos da Vinci viajaram para o Canadá nesta semana para negociar parcerias para a formação de um consórcio que vai avaliar a Transportadora Associada de Gás (TAG), da Petrobrás. O ativo reúne a infraestrutura de gasodutos nas Regiões Norte e Nordeste do País.

As novas concessões de aeroportos que o governo planeja leiloar e ativos licitados no passado também estão sendo estudadas pela Vinci. Um exemplo é o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. Em julho, os acionistas da concessionária, formada por Triunfo, UTC e Egis, decidiram devolver a concessão ao governo federal por dificuldade financeira.

Embora os acionistas tenham optado pela devolução, o caso ainda está pendente. Do ponto de vista operacional, apesar da demanda estar baixa, os investidores veem poucos problemas. O maior entrave é financeiro, já que o tamanho da dívida é alta e a outorga desproporcional com a movimentação do aeroporto. Mas, para o estrangeiro, a concessão tem seus atrativos, como a forte movimentação de carga e o porcentual de receita em dólar.

Fonte: Jornal O Estado de S. Paulo

Arquitetura Brasil Built to Suit CNI Crescimento Economia Entrevista Galpões Governo Imóveis Investimento Locação Marcel Monacelli Marcel Monacelli Arquitetura Mercado Monacelli News Rio de Janeiro Setor imobiliário Shopping Shoppings São Paulo Transporte Valor Valor Econômico
  • @marcelmonacelli

  • Alguns Projetos

  • © 2011 MARCEL MONACELLI ARQUITETURA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.